Durante uma época eu curti RPG de mesa; nunca me aprofundei nos sistemas e poucas vezes joguei Dungeons & Dragons (voto pela simplicidade do 3D&T) mas guardo com carinho na memória as sessões com meu irmão e meu primo, que serviam mais como desculpa para comer pizza e esfirra e falar bobagem do que realmente para jogar. Knights of Pen and Paper traz de volta essas memórias pois o próprio jogo, lançado pela developer brasiliense Behold Studios em 2013, faz uma paródia com este gênero “analógico” de RPG.

knights-of-pen-and-paper-03

A indústria dos games tenta há décadas reinventar o RPG tradicional no meio digital, mas Knights of Pen and Paper faz o caminho inverso; começa com o dungeon master, sentado atrás de uma mesa de madeira dando-lhe as boas-vindas – sim, o game leva o jogador para dentro do jogo – e você deve escolher seu grupo a partir de um leque de opções que incluem um nerd, um hipster, um roqueiro e por aí vai, basicamente “pessoas comuns”. A mesa, o mestre e os personagens que você escolheu são então transportados para dentro do mundo de fantasia medieval e é assim que o jogo rola.

Pode parecer estranho para um RPG de video game, mas assim que você se acostuma dá para sacar a brilhante ideia que está por trás desta escolha de design.

knights-of-pen-and-paper-01O game quebra a quarta parede* e em diversas ocasiões dialoga com o jogador, fortalecendo o conceito de metajogo sobre o qual Knights of Pen and Paper se sustenta e, em uma interessante reviravolta, também transporta o mundo fictício para o mundo real como se não houvesse mais distinção entre os dois.

O aspecto que mais gostei foi que, ao invés de guiar o jogador por uma história já estruturada com começo, meio e fim, ele permite que você mesmo molde seu jogo. Sim, existe um enredo, mas cada quest pode ser personalizada com a quantidade de inimigos que você preferir – isto significa que, se você começar uma quest e tomar um pau, pode começa-la de novo e enfrentar menos inimigos por batalha, aumentando suas chances de vitória. É um jeito muito legal de jogar RPG!

knights-of-pen-and-paper-05

knights-of-pen-and-paper-04Knights of Pen and Paper possui uma enorme quantidade de referências à cultura popular e gamer, do clássico desenho animado Caverna do Dragão aos jogadores HUE BR, de lendas folclóricas brasileiras a Gabe Newell. É um jogo recheado de humor bobo e divertido, mas possivelmente restrito a um público acostumado com a origem dessas referências. É limitador? Sim, mas de qualquer maneira Knights of Pen and Paper não é para qualquer um.

A única reclamação que eu tenho é que gostaria que fosse possível repetir as quests (infinitamente) porque, por volta do level 30, já não havia mais nenhuma disponível no mapa, com exceção de uma que exigia level 42. A única solução é partir para o grinding, mas batalhar por 8 ou 9 mil pontos de experiência que depois são divididos por 5 personagens que precisam subir quase 10 levels torna o grinding bem tedioso.

Knights of Pen and Paper é um jogo divertido, despreocupado e perfeito para jogar nas horas vagas a caminho do trabalho ou antes de dormir. Ele não tem a força para substituir outros RPGs tradicionais dos games, como Final Fantasy, mas esta nem é a intenção… para quem busca um RPG dinâmico, com poucas regras e sem complicações, é mais do que ideal.

*O ato de quebrar a quarta parede tem origem na teoria do teatro épico de Bertolt Brecht e refere-se ao personagem dirigindo-se à platéia, ou tomando conhecimento de que as personagens não são reais.

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s